quinta-feira, 21 de maio de 2020

Pastores que negam que Deus envie castigo estão "imersos no ateísmo": historiador católico

O professor Roberto de Mattei disse que hoje os principais líderes da Igreja que negam a ideia de punição divina são um sinal claro de que a punição já está acontecendo.


O professor Roberto de Mattei fala no virtual Rome Life Forum, 21 de maio de 2020.

Por Dorothy Cummings McLean



O renomado historiador católico Roberto de Mattei afirmou que pastores católicos que negam a idéia de Deus infligindo flagelos à humanidade por causa do pecado estão "imersos no ateísmo".
"Mas quando são os próprios homens da Igreja que negam a idéia de punição divina, isso significa que a punição já está em andamento e é irremediável", disse hoje o professor de Mattei em sua palestra no fórum virtual da vida em Roma. Sua palestra foi intitulada “O Julgamento de Deus na História” (leia a palestra completa abaixo).
“Nos dias do surto de coronavírus, o arcebispo Mario Delpini, de Milão, chegou ao ponto de dizer que 'é uma ideia pagã pensar que Deus envia flagelos'”, continuou o estudioso.
“Na realidade, pensar que Deus não envia flagelos torna alguém não pagão, mas ateu. O fato de que isso é exatamente o que muitos bispos de todo o mundo pensam significa que o episcopado católico em todo o mundo está imerso no ateísmo. E este é um sinal de um castigo divino que já está em andamento”, acrescentou.
Nesta palestra, De Mattei argumentou que Deus envia castigos à humanidade na forma de “guerra, praga e fome” por causa do pecado e para chamar a humanidade de volta a Deus. Ele descreveu a justiça infinita de Deus, e o que isso significa, não apenas para indivíduos, mas para nações. Toda pessoa enfrenta seu julgamento particular no momento da morte, mas também haverá um segundo julgamento no final dos tempos. Este será o julgamento universal em que toda ação, idéia e sociedade humanas que já foram "serão julgadas perfeita e claramente".
De Mattei explicou que, para que a justiça perfeita seja alcançada, deve-se atribuir recompensa e punição, pois "justiça significa dar a cada um o seu". Os seres humanos, que são eternos, serão recompensados ​​e punidos por toda a eternidade. No entanto, as nações são recompensadas ou punidas ao longo da história porque não têm vida eterna.
"Todos os infortúnios que atingem as nações ao longo de sua história têm um significado", disse Mattei.
"Suas causas às vezes nos iludem, mas é certo que a origem de todo mal permitido por Deus está no pecado do homem."
O historiador apontou que tanto a Escritura quanto a tradição concordam que o castigo de Deus às nações na história são guerra, praga e fome. Usando São Bernardino como fonte, Mattei também descreveu os sinais pelos quais podemos saber que os julgamentos de Deus estão próximos. Um sinal é a incapacidade daqueles que merecem a punição de terem consciência de que estão se aproximando.
O professor defende que o castigo não é apenas um ato da justiça de Deus pelo pecado, mas também um ato de misericórdia direcionado a chamar as pessoas de volta ao relacionamento correto com Deus.
Registre-se no Rome Life Forum aqui.
***
O Julgamento de Deus na História
Por Roberto de Mattei
Fórum da vida em Roma
21 de maio de 2020
Terra infecta é um fato habitacional, propter hoc maledictio vastabit terram - Isaías 24: 6
Na era do coronavírus, todo mundo está falando sobre todo tipo de coisa, mas há certos tópicos que são proibidos, sobretudo no mundo católico. O principal tópico proibido é o julgamento e a retribuição divina na história. O fato dessa censura é uma boa razão para considerarmos o argumento.

O reino de Deus e sua justiça

Começamos não no Antigo Testamento, onde existem inúmeras referências a castigos divinos, mas com as próprias palavras do próprio Senhor, que nos diz: “Busque primeiro o Reino de Deus e sua justiça, e todo o resto será dado a você além”(Mt 6: 31-33).
Estas palavras do Evangelho são um programa de vida para cada um de nós e nos lembram uma das bem-aventuranças: “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, pois serão satisfeitos” (Mt 5: 6).
O senso de justiça é um dos primeiros sentidos morais de nossa razão: os filósofos o definem como a inclinação da vontade de dar a cada um o que é devido. O desejo de justiça está no coração de cada pessoa. Não buscamos apenas o que é verdadeiro, bom e bonito, mas também o que é justo. Todo mundo ama a justiça e detesta a injustiça. E como o mundo está cheio de injustiças e a justiça humana, como é administrada pelos tribunais legais, é sempre imperfeita, aspiramos a uma justiça perfeita - uma justiça que não existe na Terra e só pode ser encontrada em Deus.
O julgamento mais célebre da história, o julgamento de Nosso Senhor Jesus Cristo, sancionou a injustiça mais flagrante de todos os tempos. Mas Deus é infinitamente justo, porque infalivelmente concede a cada pessoa sua própria justiça. A beleza do universo consiste em sua ordem, e essa ordem é o reino da justiça, porque ordem significa colocar cada coisa em seu lugar e justiça significa dar a cada um o seu: unicuique suum, conforme estabelecido pelo direito romano.

A infinita justiça de Deus

A justiça infinita de Deus tem sua manifestação suprema em dois julgamentos diferentes que aguardam o homem no final de sua vida: o julgamento particular, ao qual toda alma está sujeita no momento da morte, e o julgamento universal, ao qual todos os homens serão sujeito de corpo e alma, após o fim do mundo.
Esta é a fé da Igreja: todo ser humano aparecerá diante de Deus no final de sua vida para receber recompensa ou punição do Senhor e do Juiz Supremo. Por esse motivo, Sirach diz: Memor est judicii mei, sic enim erit et tuum - Lembre-se do meu julgamento, se você também quiser aprender a julgar bem ( Eccl 38).
O padre Garrigou-Lagrange explica que, no julgamento particular, a alma entende espiritualmente que está sendo julgada por Deus, e à luz divina, sua consciência pronuncia o mesmo julgamento divino. “Isso acontece no primeiro instante em que a alma é separada do corpo, pelo que é verdade dizer que se uma pessoa está morta, ela também é julgada. A sentença é definitiva e a execução da sentença é imediata". (1)
O julgamento de Deus é diferente do dos homens. Há o famoso caso de Raymond Diacres, o estimado professor da Sorbonne, que morreu em 1082. Uma multidão de pessoas assistiu ao seu funeral na Catedral de Notre Dame em Paris, incluindo seu aluno São Bruno de Colônia. Durante a cerimônia, aconteceu uma coisa perturbadora que foi examinada em todos os seus detalhes pelos estudiosos da Bolonha.
O corpo de Diacres estava disposto no meio da nave central da igreja, coberto apenas por um véu simples, como era a prática habitual na época. Os ritos funerários começaram e prosseguiram até o ponto em que o padre disse as palavras do rito:
"Responda-me: quantas iniquidades e pecados você tem...?" Nesse momento, uma voz sepulcral falou debaixo do véu do funeral: "Pelo justo julgamento de Deus, fui acusado!"
O pano do funeral foi imediatamente retirado do corpo, mas o morto estava lá, frio e imóvel. O ritual do funeral, que havia sido inesperadamente interrompido, foi imediatamente recomeçado em meio ao tumulto de toda a congregação. A pergunta foi repetida, e o morto gritou com uma voz ainda mais alta do que antes: "Pelo justo julgamento de Deus, fui julgado!"
O terror dos presentes atingiu seu auge. Alguns médicos se aproximaram do corpo e confirmaram que ele estava realmente morto. Em meio ao medo geral e perplexidade, as autoridades eclesiásticas decidiram adiar o funeral para o dia seguinte.
No dia seguinte, a cerimônia fúnebre foi repetida, mas desta vez, quando chegaram à mesma pergunta no ritual: “Responda-me: quantas iniquidades e pecados você tem...? O corpo sentou-se sob o véu do funeral e gritou em voz alta: "Pelo justo julgamento de Deus, eu fui condenado ao inferno para sempre!" 2)
Diante deste terrível testemunho, o funeral foi interrompido. Foi decidido que o corpo não deveria ser enterrado no cemitério comum. No caixão do condenado, foram escritas as palavras de que ele falará no momento da ressurreição: Justo Dei judicio accusatus sum; Soma de Justo Dei judicio judicatus: soma de Justo Dei judicio condemnatus. A acusação, a condenação, a sentença - é isso que aguardará os réprobos no dia do julgamento universal.
Por esse motivo, Santo Agostinho diz em A Cidade de Deus: "todos aqueles que necessariamente morrerão não devem se preocupar tanto com a forma como vão morrer, mas com o lugar para onde serão forçados a ir após a morte". (3) E este lugar, devemos acrescentar, é o céu ou o inferno.
A Mensagem de Fátima se abre com a terrível visão do inferno e nos lembra que nossa vida na Terra é muito séria, porque coloca diante de nós uma escolha dramática: céu ou inferno, felicidade eterna ou condenação eterna. De acordo com a nossa escolha, seremos julgados no momento de nossa morte, e a sentença, uma vez pronunciada, será inapelável.

O Julgamento Universal

Mas há um segundo julgamento que nos espera após a morte: o julgamento universal.
A existência de um julgamento universal que seguirá um julgamento específico é um artigo de fé. Santo Agostinho sintetiza o ensino da Igreja com as seguintes palavras: “Ninguém pode colocar em dúvida ou negar que Jesus Cristo, como proclamam as Escrituras, pronunciará o julgamento final.” (4) Será o Juízo Final, do qual ninguém pode escapar.
Na hora do julgamento universal, Jesus Cristo, o Deus-homem, aparecerá nos céus, precedido pela cruz e cercado por hostes de anjos e santos (Mt 24: 30-31), assentados em um trono de majestade (Mt 25, 30). O papel do juiz lhe foi dado pelo pai, como o próprio Jesus nos revela no evangelho: “Só eu não posso fazer nada; Julgo de acordo com o que ouço, e meu julgamento é justo, porque não busco a minha própria vontade, mas a vontade daquele que me enviou (Jo 5:30).
Mas por que é necessário um julgamento universal, uma vez que Deus julga toda alma imediatamente após a morte e o julgamento universal simplesmente confirma a sentença já proferida no julgamento em particular? Um julgamento não é suficiente?
Santo Tomás responde: “Todo homem é uma pessoa em si e é ao mesmo tempo parte de toda a raça humana; portanto, ele deve ter um duplo julgamento: aquele que é particular, após sua morte, quando receberá de acordo com o que fez na vida, embora não inteiramente, porque receberá não no que diz respeito ao corpo, mas no que diz respeito à alma; mas também deve haver outro julgamento de acordo com o fato de sermos parte da raça humana: o julgamento universal de toda a raça humana através da separação entre o bem e o mal.” (5)
O médico angélico explica, em outra passagem, que, embora a vida temporal do homem termine com a morte, ela se prolonga de certa maneira no futuro, porque continua a viver na memória dos homens, começando com seus filhos. Além disso, a vida do homem continua nos efeitos de suas obras. Por exemplo, Santo Tomás diz: “Como resultado da impostura de Ário e de outros impostores, a incredulidade fervilhará até o fim do mundo; e da mesma forma, até o mesmo ponto, a fé se expandirá graças à pregação dos apóstolos.” 6)
O julgamento de Deus, portanto, não termina com a morte, mas se estende até o fim dos tempos, porque a boa influência dos santos e a má influência dos réprobos se estende até o fim dos tempos. São Bento, São Francisco e São Domingos merecem ser recompensados ​​por todo o bem que sua obra continuou a fazer até o fim do mundo, enquanto Lutero, Voltaire e Marx serão punidos por todo o mal que suas obras trouxeram. até o fim do mundo. Por esse motivo, deve haver um julgamento final, no qual tudo a respeito de cada homem, seja de que forma for, será julgado perfeita e claramente. Enquanto no julgamento particular cada pessoa julgará acima de tudo com relação à exatidão da intenção com a qual trabalhou, no julgamento universal suas obras serão julgadas objetivamente, sobretudo pelos efeitos que tiveram na sociedade.
Após o julgamento imediato diante de Deus no momento da morte, é necessário que haja um julgamento público não apenas diante de Deus, mas também diante de todos os homens, de todos os anjos, de todos os santos e da bem-aventurada Virgem Maria, porque, como o Evangelho diz: “Não há nada oculto que não seja revelado; nada secreto que não seja conhecido”(Lc 12: 2). É certo que aqueles que conquistaram o Céu graças a sofrimentos e perseguições serão glorificados, enquanto muitas pessoas perversas que levaram uma vida feliz aos olhos dos homens serão desonradas publicamente. O padre Schmaus diz que o julgamento final revelará a verdade ou falsidade das obras culturais, científicas e artísticas dos homens: a verdade ou falsidade das diretrizes filosóficas, das instituições políticas e das forças religiosas e morais que mudaram a história; o significado das várias seitas e heresias, de guerras e revoluções. (7) Os corpos de Ário, Lutero, Robespierre e Marx já são poeira, mas no dia do julgamento seus livros, estátuas e nomes terão que ser publicamente execrados.
Acrescentamos que cada homem nasce e vive em uma nação, e sua ação contribui para transformar as nações e os povos nos quais ele vive pelo bem ou pelo mal, e esses povos e nações serão julgados em sua cultura, instituições e leis. Por essa razão, o Evangelho diz que quando o Filho do Homem vier em sua glória “todas as nações serão reunidas diante dele. E Ele os separará um do outro, como um pastor separa as ovelhas das cabras. E ele colocará as ovelhas à sua direita e as cabras à sua esquerda”(Mt 25: 31-46).
Assim, o julgamento não será pronunciado apenas sobre homens e anjos individuais. As nações também são chamadas a cumprir os desígnios da Providência Divina e, portanto, devem se conformar à vontade divina que governa e governa o universo. No julgamento universal, será revelado se e quanto cada pessoa cumpriu a tarefa que Deus lhes atribuiu. (8)
Dom Antonio Piolanti escreve: “As razões da sabedoria guardam segredos ao longo do tempo, mas, no final, o tempo terá que derramar seu tesouro diante dos olhos da assembléia universal. Todas as máscaras cairão e os fariseus felizes terão a marca de uma infâmia indelével". (9)
O julgamento se estenderá a toda a história humana, que será revelada publicamente para a maior glória de Deus. Será o triunfo da Divina Providência que, ao longo da história, guia os destinos de homens e nações de maneira invisível e impenetrável.
Na presença desta sentença inapelável, todos os que se reúnem no vale de Josafá proclamam a grande palavra: Iustus es Domine, et rectum iudicium tuum - Você é justo, ó Senhor, e seu julgamento é cheio de equidade (Sl 118: 137).
O julgamento particular e o julgamento universal são os dois momentos supremos em que o julgamento de Deus se manifesta sobre homens e nações. Este julgamento divino é seguido por uma recompensa ou um castigo. Para pessoas individuais, a recompensa ou punição pode ser aplicada durante a vida terrena ou na eternidade, mas para as nações que não têm vida eterna, a recompensa ou punição pode ser aplicada apenas no curso da história. E como o julgamento universal encerra a história, naquele momento Jesus Cristo não condenará as várias nações ao castigo eterno, mas sim abrirá os olhos de toda a humanidade que foi reunida para ver como cada nação foi recompensada ou punidos ao longo da história de acordo com suas virtudes ou pecados.
É importante entender que, tanto para homens individuais quanto para nações, o julgamento universal é o momento culminante do julgamento divino, mas Deus não se limita a julgar apenas nessa hora: podemos dizer que ele julga a partir do momento da criação do universo. No início da história do universo, há um julgamento - o julgamento feito por Deus contra Lúcifer e os anjos rebeldes - assim como no início da criação do homem, há um julgamento feito contra Adão e Eva. Desde então até o fim dos tempos, o julgamento de Deus não deixa de se aplicar às suas criaturas, porque a Providência Divina sustenta todo o universo criado e o direciona para o seu fim. Todos os movimentos do mundo físico, do mundo moral e do mundo sobrenatural são desejados por Deus, excluindo o pecado, causado apenas pela criatura livre.
Jesus diz que todos os cabelos da nossa cabeça foram contados (Lc 12: 8). Ainda mais, é verdade que todas as nossas ações, mesmo as menores, são julgadas por Deus. Mas Deus não é apenas infinitamente justo, ele também é infinitamente misericordioso (10) e não há julgamento divino que não seja desprovido de misericórdia, assim como não há expressão de misericórdia divina que não esteja sem a justiça mais profunda. Talvez o mais belo exemplo desse abraço de justiça e misericórdia seja dado a nós no grande presente do Sacramento da Penitência. Neste sacramento, em que o pecador é julgado e absolvido, o sacerdote, que age em persona Christi, exerce o poder judicial da Igreja, mas também exerce a misericórdia materna de Deus, absolvendo-nos de nossos pecados. A justiça de Deus intervém para restabelecer a ordem por meio da penitência que a falta merece, e a Divina Misericórdia se manifesta por meio do perdão de nossos pecados, pelo qual Deus se livra dos castigos eternos.

O castigo das nações

O que se aplica aos homens também se aplica às nações. Deus não está ausente da história; ele também está sempre presente nela com sua imensidão, e não há um momento ou momento do tempo criado em que ele não manifeste sua justiça e misericórdia divina sobre todos os povos. Todos os infortúnios que atingem as nações ao longo de sua história têm um significado. Suas causas às vezes nos iludem, mas é certo que a origem de todo mal permitido por Deus está no pecado do homem. Saint Prosper of Aquitaine, um estudante de Santo Agostinho, diz que "muitas vezes as causas da operação divina permanecem ocultas e apenas os efeitos são vistos". (11) Uma coisa é certa: quaisquer que sejam as causas secundárias, Deus é sempre a primeira causa: tudo depende Dele. Nesse ponto, devemos nos perguntar de que maneira Deus julga e pune o comportamento de vários povos e nações da história. A resposta da Sagrada Escritura, de teólogos e santos é unívoca. Tria sunt flagella quibus dominus castigat: guerra, praga e fome. Com esses três flagelos, São Bernardo de Siena explica: (12) Deus pune os três vícios principais dos homens - orgulho, luxo e avareza: orgulho, quando a alma se rebela contra Deus (Ap 12: 7-9), luxo quando o corpo se rebela contra a alma (Gn 6: 5-7), avareza quando criada, as coisas se rebelam contra o homem (Sl 96: 3). A guerra é a punição para o orgulho dos povos, as epidemias são a punição por seu luxo e a fome é a punição por sua avareza.

Os sinais pelos quais podemos saber que os julgamentos de Deus estão próximos

Em seus sermões, São Bernardino analisa o Salmo 118, que diz: Tempus faciendi dissipaverunt legem tuam: “Está na hora de o Senhor agir, porque eles dissiparam sua lei” (Sl 118: 26). Nesta expressão do salmista, São Bernardino distingue três momentos. Tempus - o tempo que a misericórdia de Deus dá às pessoas para mudarem seus caminhos. Nesse espaço de tempo, Deus oferece aos pecadores a possibilidade de suspender a sentença, revogando a penalidade, remetendo a ofensa, recebendo graça. Deus espera porque ele deseja a conversão dos pecadores. O tempo de espera pode ser longo, mas tem um limite. Se durante esse período não houver arrependimento, o castigo é lógico e necessário.
No segundo momento, Deus prepara a punição para os pecadores impenitentes: um tempo que é expresso pelas palavras faciendi Domine, que resumem, de acordo com São Bernardino, “a amarga vingança e a dura punição de Deus”, se o povo não desejar. mudar seus caminhos. (13) A punição, no entanto, é um ato da misericórdia do Pai. Ele não deseja a morte eterna dos pecadores, mas a vida deles, e através dos flagelos que inflige a eles, ele ainda tenta obter a conversão deles. É o momento em que o machado é colocado na raiz da árvore: securis ad radicem arboris posita est (Mt 3:10).
O terceiro momento é quando a ofensa está completa: dissipaverunt legem tuam . É a hora de pegar a foice e colher a colheita, como o anjo diz no livro do Apocalipse: “Use a sua foice e colhe a colheita, pois chegou a hora da colheita, porque a colheita da terra está totalmente madura” (Ap 14:15). Quais são os sinais que indicam que a colheita está madura? São Bernardino lista sete:
  1. A existência de muitos pecados horrendos, como em Sodoma e Gomorra
  2. O fato de o pecado ser cometido com pleno conhecimento e consentimento deliberado
  3. Que esses pecados são cometidos por pessoas inteiras como um todo
  4. Que isso acontece de maneira pública e sem vergonha
  5. Isso acontece com todo o carinho do coração dos pecadores
  6. Que os pecados são cometidos com atenção e diligência
  7. Que tudo isso é feito de maneira contínua e perseverante. (14)
É a hora em que Deus pune os pecados de orgulho, luxo e avareza com os flagelos da praga, da guerra e da fome.
Tempus faciendi Domine, dissipaverunt legem tuam
Está na hora de agir, ó Senhor, pois eles violaram sua lei. Outro grande santo com uma voz profética que ecoa São Bernardo, São Luís Maria Grignon de Montfort, exclama em sua Oração ardente pelos apóstolos dos últimos tempos:
Está na hora de agir, ó Senhor, eles rejeitaram sua lei. É realmente hora de cumprir sua promessa. Seus mandamentos divinos são quebrados, seu Evangelho é jogado de lado, torrentes de iniqüidade inundam toda a terra, levando até seus servos. Toda a terra está desolada, a impiedade reina suprema, seu santuário é profanado e a abominação da desolação contaminou o lugar santo. Deus da Justiça, Deus da Vingança, você deixará tudo, então, seguir o mesmo caminho? Tudo chegará ao mesmo fim que Sodoma e Gomorra? Você nunca quebrará seu silêncio? Você vai tolerar tudo isso para sempre?
Saint Luis Maria escreveu essas palavras no início do século XVIII. Dois séculos depois, a Mãe Santíssima apareceu em Fátima para anunciar que, se o mundo continuasse ofendendo a Deus, seria punido através de guerra, fome e perseguições à Igreja e ao Santo Padre e que "várias nações serão aniquiladas".
Mas hoje, cem anos após as aparições em Fátima, trezentos anos após a morte de Saint Louis Marie, o mundo parou de ofender a Deus? A lei divina é talvez menos transgredida, o evangelho menos abandonado, o santuário menos profanado? Não vemos pecados que clamam por vingança diante do rosto de Deus, como o aborto e a sodomia justificados, exaltados e protegidos pelas leis das nações?
Não vimos o ídolo de Pachamama bem-vindo e venerado mesmo dentro dos sagrados recintos do Vaticano? Tudo isso não deveria ser julgado por Deus até agora? E quem ama a Deus também não deve amar e desejar a hora da sua justiça, de modo a respeitar, como no dia do juízo final: Iustus es Domine, et rectum iudicium tuum : Você é justo, ó Senhor, e seu julgamento é cheio de patrimônio (Sl 118: 137)?

Por que os povos não percebem os castigos que pairam sobre eles

Entre os católicos, sempre que uma aflição acontece com um determinado povo ou nação, há quem diga que não sabe se isso é punição ou julgamento. Mas, em contraste com as provações que caem sobre homens individuais, os males que afligem as nações são sempre punições. Pode acontecer que um homem virtuoso sofra muito para ser provado em sua paciência, como aconteceu com Jó. Os sofrimentos que homens individuais encontram em suas vidas nem sempre são um castigo; mais frequentemente, são uma provação que os prepara para obter a felicidade eterna. Mas, no caso das nações, os sofrimentos decorrentes de guerras, epidemias ou terremotos são sempre punições, porque as nações não têm uma existência eterna. Dizer que um flagelo pode ser "um julgamento" para uma nação não faz sentido. Poderia ser um julgamento para os homens individuais de uma nação em particular, mas não para a nação como um todo, porque as nações recebem seu castigo no tempo, não na eternidade.
Os castigos de uma nação aumentam proporcionalmente aos pecados de uma nação. E, proporcionalmente ao aumento de seus pecados, os iníquos também aumentam sua rejeição à idéia de punição, como Voltaire fez em seu blasfêmio Poema sobre o desastre em Lisboa, escrito após o terrível terremoto que destruiu a capital de Portugal em 1755. A Igreja sempre respondeu às blasfêmias dos ateus, lembrando que tudo o que acontece depende de Deus e tem um significado. Mas quando são os próprios homens da Igreja que negam a idéia de punição divina, isso significa que a punição já está em andamento e é irremediável. Nos dias do surto de coronavírus, o arcebispo Mario Delpini, de Milão, chegou ao ponto de dizer que "é uma idéia pagã pensar que Deus envia flagelos". Na realidade, pensar que Deus não envia flagelos torna alguém não pagão, mas ateu. O fato de que isso é exatamente o que muitos bispos de todo o mundo pensam significa que o episcopado católico em todo o mundo está imerso no ateísmo. E este é um sinal de um castigo divino que já está em andamento.
São Bernardino explica que quanto mais o castigo de Deus se aproxima, menos as pessoas que o merecem têm consciência disso. (15) A razão dessa cegueira da mente é o orgulho, initium omnis peccati (Ecl 10:15). O orgulho obscurece o intelecto, impede que ele veja a proximidade da destruição, e Deus deseja, com essa cegueira, humilhar os orgulhosos.
Com a ajuda de São Bernardino, também podemos interpretar uma linha do Livro dos Salmos, incorporada por Leão XIII em seu Exorcismo contra os anjos rebeldes: Veniat illi laqueus quem ignorat, e captio quam abscondit, apreender eum et laqueum cadat in ipsum(Sl 34: 8). A tradução livre dessa passagem poderia ser: “Deixe a armadilha vir, a armadilha em que ele não está pensando. Que a manobra que ele está escondendo o agarre e o deixe cair em sua própria armadilha da morte.
São Bernardino diz que esta passagem dos Salmos pode ser interpretada sob três aspectos.
Primeiro, do ponto de vista de Deus: Veniat illi laqueus quem ignorat. A primeira causa dessa ignorância vem de Deus, que, para ocultar seus planos, usa epidemias e fomes: “laqueus est pestis vel fames et consimilia” (16) diz São Bernardino: “o laço é uma praga ou fomes e coisas semelhantes." Antes de tudo, Deus tira os guias do povo, não apenas os guias políticos e espirituais, mas também os anjos que presidem as nações. Deus então tira o lumen veritatis, que é uma graça como todo bem que vem de Deus. Por fim, Deus permite que o povo pecador caia nas mãos de seus próprios vícios, de demônios que substituem os anjos e dos iníquos, que os conduzem ao abismo.
E captura quam abscondit, apreender eum. Uma vez que cada guia foi tirado deles e também da luz da verdade, as pessoas impenitentes não apenas mudam quando Deus anuncia o castigo, mas na verdade aumentam seus pecados. E essa multiplicação de pecados aumenta a cegueira dos povos.
Et laqueum cadat in ipsum. O povo pecador não tem conhecimento da hora da punição, que se aproxima deles repentina e inesperadamente. As manobras com as quais eles tentaram destruir a boa jogada contra eles. Eles não são apenas punidos, mas humilhados. Assim, a profecia de Isaías é cumprida: “Sobre ti virá um desastre, nem sabereis de onde vem; sobre você cairá uma calamidade que não pode afastar; de repente virá uma catástrofe que você não pode imaginar”(Isaías 47:11).

O temor de Deus e o terror humano

Quando então o castigo começa, o demônio, vendo seus planos desagradáveis, espalha o sentimento de terror entre os povos, a antecâmara do desespero. Os ímpios negam a existência da catástrofe; os bons entendem que chegou, mas, em vez de aproveitar a oportunidade de seu renascimento, são tentados a ver nela apenas a hora de sua própria ruína. Isso acontece quando eles se recusam a ver por trás dos acontecimentos a mão sábia de Deus, a fim de perseguir as manobras dos homens. Autor querido do coração de Saint Louis Marie de Montfort, o arquidiácono Henri-Marie Boudon escreve: “Dieu ne frappe que pour être consideraçãoé; et l'on n'arrête les yeux that sur les créatures”(17) -“Deus golpeia para ser contemplado, mas em vez de voltar nosso olhar para ele, nós o voltamos para criaturas”.
Isso não significa que as manobras das forças revolucionárias não devam ser observadas, analisadas e combatidas, mas nunca esquecendo que a Revolução é sempre derrotada na história pela natureza autodestrutiva que intrinsecamente possui em si mesma, enquanto a Contra-Revolução sempre vence por causa da fecundidade do bem que ele possui dentro de si.
O ateísmo é a expulsão de Deus de todos os aspectos da atividade humana. A grande vitória dos inimigos de Deus não consiste em suprimir nossas vidas ou restringir nossas liberdades físicas, mas em remover a idéia de Deus de nossas mentes e corações. Todo raciocínio humano e especulações filosóficas, históricas e políticas nas quais Deus não ocupa o primeiro lugar são falsas e ilusórias.
Bossuet diz o seguinte: “Todos os pensamentos que não existem no mundo estão relacionados com o domínio da morte” (18) - Todos os nossos pensamentos que não têm Deus como objeto pertencem ao domínio da morte. "Isso é verdade, e também podemos dizer que todos os nossos pensamentos que têm Deus como objeto pertencem ao domínio da vida, porque Jesus Cristo, o Juiz e Salvador da raça humana, é “o Caminho, a Verdade e a vida”(Jo 14: 6). Falar do julgamento de Deus na história e no passado não é, portanto, falar da morte, mas da vida, e quem fala do julgamento divino não é um "profeta da destruição", mas um arauto da esperança.
Aqueles que hoje com força cada vez maior rejeitam a ideia de castigo divino são os homens da Igreja. Eles rejeitam o castigo porque rejeitam o julgamento de Deus, que substituem pelo julgamento do mundo. Mas o temor de Deus nasce da humildade, enquanto o medo do mundo nasce do orgulho.
Temer a Deus é a mais alta sabedoria: Timor Domini initium Sapientiae diz o Livro de Eclesiastes, que conclui com estas palavras: Deum time, et mandata ejus serva: hoc est enim omnis homo (Ec 12, 13): “Tema a Deus e observe a sua mandamentos, porque isso é tudo para o homem.” Quem não teme a Deus substitui os mandamentos divinos pelos mandamentos do mundo, por medo de ser isolado, censurado e perseguido pelo mundo. O medo do mundo, que é uma conseqüência do pecado, leva os homens a fugir da batalha, enquanto o medo de Deus incita os homens a lutar.
Um grande autor francês, Ernest Hello, diz: "Temer o nome de Deus não significa não ter medo de nada". (19) E Hello também nos lembra uma palavra da Sagrada Escritura, cuja profundidade nunca terá sucesso no entendimento completo: laetetur cor meum ut timeat nomen tuum (Sl 85:11) - "meu coração se alegra por ter medo do seu nome".
A alegria existe apenas onde há a presença de Deus, e Deus não pode estar presente se o temor do Senhor não estiver presente. O Espírito Santo diz que não há nada maior que o temor do Senhor: Nihil melius est quam timor Domini (Ec 23:27); o Espírito Santo chama o temor do Senhor de fonte da vida: Timor Domini fons vitae (Pv 14: 27); bem como jubliação e alegria: Timor Domini gloria, gloriatio et laetitia et corona exultationis! (Sir 1: 11).
É esse temor de Deus que nos leva a reconhecer a mão divina nos trágicos eventos de nosso tempo e a entrar na batalha com uma coragem tranquila.

O cavaleiro, a morte e o diabo

O Cavaleiro, a Morte e o Diabo é uma gravura em placa de cobre feita por Albrecht Dürer em 1513. A obra mostra um cavaleiro com um capacete na cabeça, armado com uma espada e uma lança, montado em um cavalo majestoso, desafiando a morte, que o mostra uma ampulheta contendo o tempo de vida que é passageiro e o diabo, que é retratado como um animal com chifres segurando uma alabarda.
Há quase setenta anos, em artigo publicado na revista Catolicismo em fevereiro de 1951, Plinio Corrêa de Oliveira usou essa imagem para ilustrar o embate entre a Revolução que não pode voltar atrás e a Igreja que, apesar de tudo, não conseguiu triunfar. Ele escreveu:
Guerra, morte e pecado estão se preparando mais uma vez para destruir o mundo, desta vez em proporções maiores do que nunca. Em 1513, o incomparável talento de Dürer os representou na forma de um cavaleiro que está partindo para a guerra, completamente vestido com sua armadura e acompanhado pela morte e pelo pecado, este último retratado por um unicórnio. A Europa, que ainda estava imersa nos distúrbios que precederam a Pseudo-Reforma, estava caminhando para a era trágica das guerras religiosas, políticas e sociais que o protestantismo desencadeou.
A próxima guerra, sem ser explícita e diretamente uma guerra religiosa, afetará tanto os sagrados interesses da Igreja que um verdadeiro católico não deixará de ver nela principalmente o aspecto religioso. E a devastação que será desencadeada certamente será incomparavelmente mais destrutiva do que as dos séculos passados.
Quem ganhará? A Igreja?
As nuvens que temos diante de nós não são rosadas. Mas eles nos animam com uma certeza inquestionável e é que não apenas a Igreja - que é óbvia, dada a promessa divina - não desaparecerá, mas em nossos dias obterá um triunfo ainda maior do que o de Lepanto.
Quão? Quando?O futuro pertence a Deus. Muitas razões para tristeza e ansiedade aparecem diante de nós, mesmo quando olhamos para alguns de nossos irmãos com fé. No calor da luta, é possível e até provável que haverá terríveis deserções. Mas é absolutamente certo que o Espírito Santo continua a inspirar na Igreja energias espirituais admiráveis ​​e indomáveis ​​de fé, pureza, obediência e dedicação, que no momento oportuno mais uma vez cobrirão o nome cristão com glória.
Plínio Corrêa de Oliveira concluiu seu artigo com a esperança de que o século XX fosse “não apenas o século da grande batalha, mas sobretudo o século do imenso triunfo”. Nós mesmos ecoamos essa esperança, que se estende até o século XXI, nosso século, a era dos coronavírus e de novas tragédias, mas também o tempo de uma fé renovada na promessa de Fátima, uma fé que desejamos expressar com as palavras que o Papa Pio XII se dirigiu à Ação Católica em 1948:
“Vocês sabem, filhos amados, os misteriosos cavaleiros dos quais o Livro do Apocalipse fala. O segundo, terceiro e quarto cavaleiros são guerra, fome e morte. Quem é o primeiro cavaleiro no cavalo branco? “O cavaleiro tinha um arco, e ele recebeu uma coroa, e cavalgou vitorioso” (Ap 6: 2). Ele é Jesus Cristo. O evangelista visionário não viu apenas a ruína causada pelo pecado, guerra, fome e morte; ele também viu em primeiro lugar a vitória de Cristo. E, de fato, o caminho da Igreja ao longo dos séculos é apenas uma via crucis, mas também é em todas as épocas uma marcha triunfal. A Igreja de Cristo, os homens de fé do amor cristão, são sempre aqueles que trazem luz, redenção e paz à humanidade que não têm esperança. Jesus Cristo heri et hodie, ipse et em saecula (Heb 13: 8). Cristo é o seu guia, de vitória em vitória. Siga-o." (20)
________
1 Réginald Garrigou-Lagrange, La eterna e la profondità dell'anima, tradução para o italiano, Fede e Cultura, Verona 2018, p. 94
2 Vita del gran patriarca s. Bruno Cartusiano. Dal Surio, & altri ..., Alessandro Zannetti, Roma 1622, vol. 2, p. 125
3 Santo Agostinho, De Civitate Dei, I, 10, 11.
4 Santo Agostinho, De Civitate Dei, 20, 30.
5 São Tomás de Aquino, em IV Enviado. 47, 1, 1, anúncio 1.
6 São Tomás de Aquino, Summa Theologica, III, q. 59, art. 5
7 Michael Schmaus, Le ultime realtà, tradução em italiano, Edizioni Paoline, Roma, 1960 p. 247
8 Ibid., P. 248
9 Antonio Piolanti, Giudizio divino, na Enciclopedia Cattolica, vol. VI (951), col. 731 (731-732).
10 Réginald Garrigou-Lagrange, Dieu, filho da natureza e natureza, Beauchesne, Paris 1950, vol. I, pp. 440-443.
11 Prosper of Aquitaine, De vocação omnium gentium (La vocazione dei popoli, Città Nuova, Rome 1998, p. 74)
12 São Bernardino, Opera Omnia, Sermo 46, Feria quinta post dominicam de Passione, em Opera Omnia, Ad Claras Aquas, Florença 1950, vol. II, pp. 84-8,
13 Ibid., Sermo XIX, Feria secu
nda post II dominicam em quadragesima, vol. III, p. 333
14 Ibid., Pp. 337-338.
15 Ibid., Pp. 340-350.
16 Ibid., P. 341
17 Henri-Marie Boudon, A devoção aos santos Anges, Clovis, Cobdé-sur-Noireau 1985, p. 265
18 Jacques-Bénigne Bossuet, Oraison Funèbre de Henriette-Anne d'Angleterre (1670), em compluvres complètes, Outhenin-Chalandre fils, Paris 1836, t. II, p. 576
19 Ernst Olá, L'homme, Librairie Académique Perrin, Paris 1911, p. 102
20 Pio XII, Discurso de 12 de setembro de 1948 aos Jovens da Ação Católica, Discorsi e Radiomessaggi, X (1948-1949), p. 212).

Traduzido por Giuseppe Pellegrino


Fonte - lifesitenews

Um comentário:

Fernando Lima disse...

Artigo esclarecedor!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...